quarta-feira, abril 11, 2007

Importam-se de repetir?

Sem tempo para nada*, mas ainda assim demasiado indignada para deixar passar em branco:

«é irrelevante que o facto divulgado seja ou não verídico (...), desde que, dada a sua estrutura e circunstancialismo envolvente, seja susceptível de afectar o seu crédito ou a reputação do visado»

Como é que é?! O direito ao bom nome é superior ao direito à informação?!
Quando for grande, quero ser juíz do Supremo Tribunal.

*A trabalhar 16 horas por dia. A alimentar-me, basicamente, de café. Tenho esperança de um dia destes sair da redacção com luz do dia. E de conseguir dar uma voltinha pela internet e espreitar os vossos blogues.

20 comentários:

LopesCa disse...

Se fosse pura difamação ainda compreendia, mas a informação foi considerada verdadeira pelos tribunais.
Não percebo como é que o Sporting ganhou a causa :(

Eduardo Lara Alves disse...

Direitos em Portugal? Sim claro do poder judicial, do poder político, e por aí.

Sugestão: Marca uma reunião contigo própria ou com alguém imaginário, aproveita esses 15 minutos para espreitar a internet. Marca também no calendário que tens que sair a horas...não vale mesmo de nada mas ajuda à sanidade mental ;)

BlueAngel disse...

Também fiquei estupefacta quando ouvi. Tal como ouvi o advogado Marinho, da Sic Notícias, dizer a partir de agora nada se publica sob pena de condenação. A liberdade de expressão foi atacada! Vergonhoso, no mínimo dos mínimos! E eis Portugal no seu esplendor!

andorinha disse...

Este país bateu mesmo no fundo.
É absolutamente inconcebível que coisas destas aconteçam.

Fica bem, miúda:)

particula-RG disse...

* É duro!
Que passe rápidamente... Esta fase.

Xuinha Foguetão disse...

Tb ouvi isso ontem nas notícias... :)

Que país lindo, o nosso.

Beijos e bom trabalho.

joaninha disse...

tens que regular novamente esse teu horário... se não tá mau!


*beijinho*

GoMi disse...

Tens toda a razão na indignação!

GoMi disse...

O direito à informação é do mais sagrado que temos. Desde que a informação seja correcta e tenha os dois lados da questão. Tenho-me sentido lesado no que toca à informação sobre a UnI, as noticias que passam para fora têm sido parciais e só contemplam um dos lados, o dos que dizem mal.

peace_love disse...

há coisas fantásticas neste País não há?

pp disse...

É isso e o interesse nacional do diploma do outro atleta...enfim

pp disse...

:)*

Miguel disse...

Depois de ler isto, até fiquei com receio de afirmar, por isso não vou afirmar que o Exmºs Senhores: Salvador da Costa, Ferreira de Sousa e Armindo Luís são adeptos do Sporting Club de Portugal.
Não que a notícia tenha relevância, mas os ditos podem querer que não se saiba. Afinal pode afectar o seu crédito ou reputação.
Sim, porque afirmar que existe uma relação "afectiva" entre a indústria do futebol e os interesses indivíduais, corporativos e políticos, é um "abuso" da liberdade de impressa.
Esses jornalistas são capazes de "tudo" para salvaguardar o direito à informação.
Mas afinal isso serve para quê? Só destabiliza, obriga as pessoas a pensar.
Para pensar, estão no poder os "pobres" dos profissionais da política.
Liberdade de informação. Sinceramente ....para quê?

Com cordiais saudações,

A Bem da Nação.

Xana disse...

Mesmo a mim, que estou fora da área, parece-me abrir um precendente muito perigoso para a liberdade de imprensa.

Continuas a trabalhar que nem uma doida? :) Beijos bons.

Minerva McGonagall disse...

Também tenho andado sem tempo para a net... e faz-me muita falta!

Daniel Aladiah disse...

Querida Rosa
Assim seja.
Um reparo: também discordo do acórdão, mas não porque o direito à informação se deva sobrepor ao direito ao bom nome... não vale tudo, mesmo que seja verdade, a não ser (como foi o caso) que haja relevância pública. mas tu pensas o mesmo, obviamente :)
um beijo
Daniel

Nuno West disse...

E olha que nós temos saudades tuas.

Bruna Pereira disse...

Sempre pertinente e impertinente.
Gosto disso...

Bom fim-de-semana :)

ariana luna disse...

Quando for grande irei ser cidadã de um país responsável, que responsabiliza e sobretudo que é coerente quanto à jurisdição que aplica.

bjo

Perverso disse...

SPOOOOOOOORTING