quarta-feira, janeiro 31, 2007

Perdoa...

"De amor nada mais resta que um Outubro,
e quanto mais amada mais desisto.
Quanto mais tu me despes mais me cubro,
e quanto mais me escondo mais me avisto."

(Natália Correia)

segunda-feira, janeiro 29, 2007

Das notícias

Fim-de-semana em casa da minha mãe significa ver dois telejornais por dia (o do almoço e o do jantar). E se há alturas da minha vida em que me sinto mesmo burra é quando vejo telejornais. Ouço tanta coisa de gente que não faz a mínima ideia do que está a dizer, mas finge que sabe, que acabo perdendo um tempo precioso em que poderia, de facto, estar a aprender alguma coisa.

sexta-feira, janeiro 26, 2007

Eu tinha a ligeira impressão...

… que o Metro do Porto era um mito urbano, uma manobra de diversão política, mais uma piadinha para acrescentar à eterna luta mouros/murcões. E, como nunca ninguém me tinha provado o contrário, a conclusão era óbvia: o Metro do Porto não existia.
Claro que eu já fui ao Porto algumas vezes depois da suposta inauguração do Metro, mas, como para mim era tão óbvio que ele não existia, nem me passou sequer pela cabeça ir à procura. Mas eis que neste fim-de-semana já mencionado algures num post aí em baixo, depois de muito passearmos a pé, decidimos ir até à Serra do Pilar ver as vistas, e a tal autóctone (nota-se muito que eu gosto desta palavra?) que nos acompanhava saiu-se com esta: “Ok, mas vamos de Metro porque já estou cansada”. Pára, pára, pára tudo!! De Metro?! Mas ela não só estava com um ar muito convicto do que dizia como até já se encaminhava para descer as escadas que davam acesso à estação. Ainda meio incrédula, seguia-a. E, para meu espanto, lá estava ele, senhoras e senhores, o tal do Metro do Porto, bonito, aerodinâmico, modernaço, cheio de linhas coloridas e com uma senhora no altifalante que até falava inglês! Um luxo. É verdade. O Metro do Porto existe. E eu tirei uma foto para o comprovar.




quarta-feira, janeiro 24, 2007

#@|*&#%@\'#!

A simpatia que despertamos numa mulher é inversamente proporcional à que despertamos no homem dela.

E eu começo, sinceramente, a ficar farta desta m****.
Um dia destes abro um curso: “Auto-estima para mulheres inseguras”. Para explicar que não é com ciúmes, controlo e má cara que se mantém um homem ao nosso lado. Para ensinar que aquilo que nos torna verdadeiramente irresistíveis é a confiança que emanamos. E a confiança não vem nos comprimidos de dieta, nos produtos de beleza ou nas aulas de dança do varão. Vem de dentro. É uma decisão consciente para focarmos a nossa energia nos nossos pontos fortes. Não há nada mais sensual do que uma mulher que sabe o valor que tem. E estejam certas de que se se têm em tão pouca conta que imaginam que vão ser trocadas por cada outra mulher com que o vosso marido ou namorado simpatiza, ele vai acabar por acreditar nessa imagem que vocês teimam em projectar, e agir como se, de facto, assim fosse.

terça-feira, janeiro 23, 2007

O que se passa com os homens e os soutiens?

(ou: "Da fisioterapia")

O meu fisioterapeuta desaperta-me sempre o soutien à primeira, desde o primeiro dia. Estranhei, afinal ele é homem, e todos sabemos das dificuldades que tão simples acessório provoca nos homens. Agora, alguém é capaz de me explicar porque é que ele desaperta o soutien na última fila de molas e depois o aperta, invariavelmente, na primeira fila? Todo o santo dia eu levanto-me da maca, visto-me, despeço-me dele e de seguida tenho que passar no balneário, voltar a despir-me, apertar o soutien no sítio certo e vestir-me outra vez! Ora, convenhamos, é actividade a mais para quem se levanta às seis e meia da manhã! Não há condições, senhor fisioterapeuta... :Þ

segunda-feira, janeiro 22, 2007

Apresentando a nova colecção: "Não vai mais álcool para essa mesa!"

O Porto lembra-me Londres. As tonalidades, a arquitectura… não sei, há qualquer coisa que me faz lembrar Londres. E, (também) por isso, gosto muito do Porto. Este fim-de-semana estive lá. E, depois de ter comentado esta minha ideia com uma autóctone (escrevi este post só para ter a oportunidade de utilizar esta palavra!), e de ela não ter concordado, íamos a descer aquela rua da Torre dos Clérigos (não esperavam que eu soubesse o nome da rua pois não?), eu parei-a, apontei para a cidade lá em baixo e disse-lhe, com toda a firmeza e convicção: “Olha bem e diz lá se isto não faz mesmo lembrar o Porto!”. Ela olhou para mim como quem olha para um ET e respondeu: “Faz, claro. Olha, aquilo ali até parece mesmo a Torre dos Clérigos…”.


sexta-feira, janeiro 19, 2007

;)

Eles pediram muito e eu não consegui dizer que não: escrevi os textos que acompanham as fotos da próxima exposição do marido da Xana. Estava um bocado receosa, mas eles adoraram! E também gostaram muito do meu empadão vegetariano, uma invenção que eu não tinha a certeza se resultaria. Ah, lembram-se do exame de domingo, do tal cursinho? Passei em todas as áreas! Parece que, além de boa amiga, boa escritora e boa cozinheira, sou também uma óptima aluna! Convencida é que eu não sou… nem um pouco.

quinta-feira, janeiro 18, 2007

All I want you, to be true...

… I just wanna make love to you.

[O que me deixa verdadeiramente irritada é que, se eu fosse um gajo, a pergunta nem se punha…]

quarta-feira, janeiro 17, 2007

Apresentando a nova colecção: "Não me lixem, que, quando é preciso, eu também sei ser mazinha!"

Olhou para mim com um misto de timidez e da arrogância que caracteriza os vinte e poucos. Sempre a sorrir, deu-me um beijo em cada face, enquanto dizia: “Finalmente conhecemo-nos. Sabes, eu sempre achei um bocado estúpido este clima de competição entre nós”. Encarei-a sem perceber e sem conseguir retribuir o sorriso, mas depois vi o ar comprometido dele, ali ao lado, e entendi tudo. Então pus também o meu melhor sorriso, olhei-a de alto a baixo e disse: “Competição?! Minha querida, nós nem sequer jogamos no mesmo campeonato”. Voltei-me para entrar no carro, mas o diabinho em cima do meu ombro direito não me deixou ir embora. Encarei-os novamente, aproximei-me dele, pus-lhe os braços à volta do pescoço e beijei-o lenta e demoradamente. Voltei a sorrir e entrei no carro, abri a janela e deixei-os com uma piscadela de olho e um: “Tenham um bom dia”.

terça-feira, janeiro 16, 2007

Perco boas oportunidades para estar calada...

No meu cursinho (eu sei que isto soa muito abrasileirado, mas “curso” ia dar uma ideia errada às pessoas), faz-se a chamada no início de cada sessão. Não que chumbemos por faltas, mas para nos irmos conhecendo uns aos outros. E, desde o início deste segundo nível, há uma tal de Tatiana Marlene que nunca apareceu. Eu sempre achei que ela fosse uma piada, algo inventado pela professora para tornar o ambiente mais divertido, ou qualquer coisa assim. Mas domingo era dia de exame intermédio e, na hora da chamada, surpresa!, lá estava a Tatiana Marlene, de carne, osso e dedo em riste! Todos olharam para ela, claro, mas eu fui a única que não conseguiu conter um “Ela existe mesmo!”, dito alto e bom som…

P.S.: Eu sei que tenho andado sem tempo nenhum para postar, e para vos visitar, e para responder aos vossos comentários, e tal, mas agora já podem parar de me enviar e-mails a insultar a minha querida mãezinha! :)

P.P.S.: E por falar em e-mails, ao anónimo que se deu ao trabalho de me enviar um a dizer que não tinha gostado do meu blog: Lamento. Mas está a ver aquela cruzinha ali no canto superior direito?... Problema resolvido! ;)

quinta-feira, janeiro 11, 2007

Eu já vos tinha dito que gosto muito de publicidade, certo?

Ontem estive em Madrid a congelar. Mas, mesmo com tanto frio, o passeio a pé valeu a pena, pois permitiu-me ver um muppie com um anúncio giríssimo [de que só a descontracção dos espanhóis seria capaz]. O cartaz tinha a foto de uma garrafa de Trinaranjus e a seguinte inscrição:
"Gente, esta es la nueva botella de Trina.
Nueva botella, esta es la gente."

Não é simplesmente delicioso??? :)

terça-feira, janeiro 09, 2007

Dos amigos

A única amiga solteira que me restava vai casar-se...
Portanto, agora é oficial: sim, os meus amigos [aqueles com quem saio com frequência, com quem vou jantar fora, ao cinema, passear no fim-de-semana...] são todos homens.

P.S.: Claro que ela não vai deixar de ser minha amiga, tal como as outras que se casaram antes não deixaram, mas a disponibilidade nunca mais é a mesma.

segunda-feira, janeiro 08, 2007

Dislexia?

Às vezes eu quero dizer: "Oh, foda-se!". No entanto, sai-me: "Oh, meu Deus!". Claro que uma coisa não tem nada a ver com a outra, mas, estranhamente, eu costumo usar as duas frases nas mesmas situações.

sexta-feira, janeiro 05, 2007

quarta-feira, janeiro 03, 2007

Ora vamos lá ver:

Vocês assustaram-se por causa da onda de violência que se seguiu à execução do Saddam, no Iraque? Eu nem por isso. Mas ontem ouvi uma jornalista na televisão dizer que estávamos todos assustados e com medo. Quer dizer, os iraquianos deviam estar, mas nós? Por que é que eu iria gastar o meu medo com (mais uma) manifestação de violência lá na conchinchina? É por isso que não gosto de telejornais: eles generalizam mais do que eu.

P.S.: Desejo a todos um excelente ano, e espero que tenham feito uma óptima "passagem"! Eu por cá (agora parecia a Conceição Lino!) terminei 2006 com uma lesão na cervical, o que conduziu a uma catrefada de medicamentos e, consequentemente, a uma passagem de ano completamente sóbria. Não fosse o facto de mal me conseguir mexer, teria sido eleita o condutor 100% cool... Em compensação, entrei em 2007 com um colar cervical super-fashion, que mais ninguém tem igual. Roam-se de inveja! :Þ