terça-feira, setembro 26, 2006

Recordações

O café pingava do filtro para o balão de vidro, com uma lentidão desesperante. Dizias-me que tinhas aceite aquele trabalho no Brasil. Que precisavas de te afastar de mim. Que sermos amigos era muito bonito mas que a proximidade te impedia de esquecer. Acusavas-me de não te deixar seguir em frente: “Ao mesmo tempo que dizes que não me queres, brindas-me com abraços, beijos e palavras carinhosas, para me manteres o amor em lume brando!”. Eu não percebia estas palavras, e talvez por isso as tenha fixado. Não percebia o tom agressivo (se sempre tinha sido sincera contigo). Não percebia o espanto dos abraços, beijos e palavras carinhosas (se eras um dos meus amigos mais queridos). Percebia a necessidade de te afastares, mas pores um oceano de distância entre nós parecia-me excessivo. Deste-me um beijo rápido e foste. O café ficou finalmente pronto. Tinha um gosto amargo. Pensei se os grãos teriam vindo do Brasil…

26 comentários:

Xana disse...

E que associação maluca fez o teu cérebro para te lembrares agora de história tão antiga? :)
Mas, a propósito, deixo aqui o que já te disse muitas vezes: a tua forma de lidar com os amigos (do sexo masculino, entenda-se) não é de todo comum. E isso às vezes confunde as pessoas e leva a interpretações erradas. Mas é uma forma muito bonita, que eu acho que não devias mudar nunca. Eu gostava de conseguir agir como tu ;)

Tita disse...

E estavas? A cozinhar o amor dele em banho maria? Às vezes fazêmo-lo sem darmos por isso, sem maldade, digamos assim. Seria esse o caso?

Ana Magal disse...

Oi Rosa,

Sê muito bem-vinda!

É difícil não hesitar, quando uma pessoa que nos conhece muito bem e que gosta de nós exactamente por isso, nos proporciona sensações de alguma forma viciantes!

Então aproveitamos e damos também!

Só que o problema surge quando não damos na proporção desejada.
Aí defende-se, afastando-se. Porque por perto.. hummm.. sabemos que é difícil!

;-) Ana Magal

wings disse...

Então, boneca, voltaste de férias nostálgica? Let bygones be bygones! Beijo doce, para contrastar com o café amargo ;o)

trapezista disse...

...que te anda a pôr em banho maria? :) *

trapezista disse...

* errata: onde se lê "que", deve ler-se "quem". :) *

Cláudia Cunha disse...

Pois... Eu pergunto o mesmo que a Tita: "E estavas? A cozinhar o amor dele em banho maria?"

Bem cá no nosso íntimo nós sabemos...

Ana Magal disse...

oi,
Só uma ressalva: evoluir para o que tudo o que disser esteja em concordância com o que se pratica. Sempre, por mais difícil que nos pareça.
Porque, caso contrário, podemos julgar o amigo do brasil?
E ele pode julgar-nos?

;) Abraços e força Ana Magal

Teresa disse...

Não o conseguias perceber, Rosa? :(
Mesmo?
Sorte a tua... sinal de que nunca amaste 'em vão' :)

mãe gabi disse...

o sabor amargo cozinhado em banho maria, mesmo passado alguns tempos custa a esuqecer-se!
entendes?
deixa eu tb não!
:D

Zuza disse...

podem mto bem ter vindo ;)))

gosto muito de cafés com filtros. E de amizades tb, logo sem beijos, abraços e palavras carinhosas :D

Rosa disse...

Xana,
:D Vou-te contar: houve aqui uma cena dumas rifas [as da Sara, sabes?] e alguém ganhou uma máquinda de café. Dessas, de balão de vidro. Foi o suficiente para me fazer recordar este episódio!

Tita,
Na altura, primeiro achei que não, e fiquei até ofendida com a acusação. Depois pensei que se calhar, talvez ele tivesse alguma razão. Hoje tenho a certeza absoluta que não, nunca estive a "cozinhá-lo em banho maria".

Ana Magal,
Ou então, damos só porque queremos. Porque gostamos mesmo. Sem ser por "troca" com nada :)

Wings,
Não é nostalgia, á apenas uma memória que algo fez despertar. Obrigada pelo beijo doce, veio mesmo a calhar! ;)

Trapezista,
A mim?! :)*

Claúdia Cunha,
Remeto-te, então, para a resposta que dei à Tita, só para não me repetir! :)

Teresa,
Não conseguia perceber aquela frase, aquelas palavras. Mas tens razão, nunca amei em vão ;)

Mãe Gabi,
Tu andas um bocadinho confusa, lá isso andas! :)

Zuza,
Então? As tuas amizades não incluem beijos, abraços e palavras carinhosas? Ou percebi-te mal?

Tita disse...

Não tenho muito a comentar. Arrepiei-me se calhar por me rever em situações semelhantes à aqui descrita. Deixo apenas um beijo.

Jorge disse...

Eu, como teu amigo do sexo masculino, subscrevo inteiramente o que a Xana disse na segunda parte da sua mensagem. Essa tua forma de ser não é comum, mas é óptima e não gostava nada que mudasses!

Sara disse...

Rosinha, a vida é assim mesmo. Nem sempre temos o que queremos, e há quem seja adepto do tudo ou nada e não se contente com meios termos. É pena.

ana disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
ana disse...

pprovavelmente nem o oceano teve o efeito que ele desejava que tivesse, pelo menos não com a rapidez imaginada. e tu só não percebeste porque, de facto, não há nada mais natural do que tratar assim os amigos. também não há nada mais natural em ficarmos com um sorriso preso à cara quando a pessoa de quem gostamos nos trata assim mas nesse caso as possíveis "misinterpretations" são de quem ama, de quem quer e deseja.

adorei a imagem do café a pingar, sabes? às vezes parece mesmo que a vida anda a compasso do mundo, dos objectos que nos amparam a existência.

estiquei-me...

eumesma disse...

Olá

Pois é...isto dos relacionamentos, ás vezes são coisas muuuuuuuuito complicadas...
E nem sempre as coisas são lineares, porque se fossem lineares seriam fruto da razão e não do coração...:-)
E os limites por vezes entre uma amizade e uma outra coisa são mto tenues também...enfim...

Raquel Santos disse...

bem-vinda

isto de misturar amor com culinária soa sempre a livro de romance... e esse deve ter sido lindo como qualquer um dos livros que li... todos nós temos essas meras recordações!

bjcas

anamoris disse...

O café é amargo, a tua recordação também. Temos muitas assim, não é?
Mas também temos outras que compensam...
Este texto está especialmente bem escrito, parabéns
Beijos

elisa disse...

Amor-amizade, não é?Difícil de entender e difícil de aceitar...Adorei o texto, Rosa!
Beijinhos

MIN disse...

A amizade profunda entre um homem e uma mulher é difícil, mas às vezes consegue-se!

Zuza disse...

Percebeste mto bem :DD

P. disse...

compreendo ambos os lados, infelizmente:( tomara a mim ter uma prposta d emprego no brasil agr

Ana disse...

É compreensível *

izzolda disse...

O problema de algumas atitudes que tomamos é não serem interpretadas da mesma forma! Como já disseram aqui, interessa é ser espontâneo, e não estar sempre a considerar a ideia que estamos a dar...

Acho injusta a "acusação" feita, se confessas que sempre foste sincera, e é uma pena que um amigo não consiga compreender.

Mas já passou, certo? Beijinhos*