terça-feira, fevereiro 10, 2009

Se provas fossem precisas

A prova de que o trabalho não se estraga:
Eu fiz nada no fim-de-semana. E mereci cada minuto do nada que eu fiz.

A prova de que eu devia ter ido à escola:
“Eu fiz nada no fim-de-semana” ou “eu não fiz nada no fim-de-semana”?

A prova de que os viciados não têm classe social:
Em Marbella, num restaurante xpto com duas estrelas Michelin, havia, ao pé da porta que dava para a varanda, uma prateleira com mantinhas para o pessoal ir lá fora fumar.

10 comentários:

Andreia do Flautim disse...

Ah pois é!

Tite disse...

Não preciso de provas para dizer que estás absolutamente certa em todas as afirmações que fazes.

Parabéns!

kombi disse...

GRANDES VERDADES.

Marisa disse...

Imagino o pivete a tabaco que as mantas emanavam. Muito chique :P

Eduardo Lara Alves disse...

A prova de que por vezes conhecemos as pessoas sem as conhecer:
Vir aqui e ler-te.

P. disse...

fazer nada é muito bom! gosto assim brutidades!

:)

Pedro Barata disse...

Grande moral lá em Marbella!!! ;)

Robin K disse...

Um problema no meio disso tudo.....

o meu trabalho estraga-se.

Patrícia disse...

Eu fiz muito, mas não fiz nada do que devia ter feito...

Suponho que quem não fuma também pode usar uma mantinha para ir lá para fora apanhar ar!

Xana disse...

Estou aqui farta de pensar na questão sobre a qual ainda ninguém se quis debruçar, e a única conclusão a que chego é que, provavelmente, eu também devia ter ido à escola! :D