quinta-feira, janeiro 22, 2009

Manuscrito

Computador, internet, e-mail, msn, skype, telemóvel, sms... É tudo muito bom, e prático, e facilitador, e tudo e tudo. Mas hoje apercebi-me que não sou capaz de reconhecer a letra da maioria dos meus amigos. E não acho bem.
Fiquei nostálgica. De dedicatórias nos cadernos. De recados na porta do frigorífico. De bilhetes clandestinos descobertos no bolso do casaco. De cartas em papel de cheiro. De letras de tamanhos e formas diferentes, sem nome, sem estilo, sem hifenização. De letras redondinhas e bonitas, que toda a gente consegue ler. De gatafunhos esquisitos, que só a custo se conseguem decifrar. De escrever e errar. De amarrotar a folha e deitar para o lixo. E escrever tudo outra vez.

28 comentários:

Su M. disse...

Por falar em dedicatorias, aqui esta uma:
Nesse seu sorriso, eu sonho
Nesse seu sorriso, eu me entrego
Nesse seu sorriso, eu espero
Nesse seu sorriso, eu vejo
Nesse seu sorriso, eu amo
Nesse seu sorriso, eu me perco
Nesse seu sorriso, Eu Leio!

Bjs

New Radical disse...

Agora temos o send and reccive ou ler sms ou mesmo o colocar um pequeno aparelho no ouvido para sentirmos a voz de alguém
Sinais dos tempos
Sinais que estamos a ficar velhos

KISS

Lu.a disse...

É caso para dizer "bons velhos tempos..."

AnaMar (pseudónimo) disse...

Também sinto saudades. Mas escrevo cartas e envio postais , em vez de emails :-D

Costinhas disse...

é por isso que eu no trabalho anoto tudo em agendas e papéis atrás de papéis... para não me esquecer de como escrever pode saber tão bem.

Eduardo Lara Alves disse...

Mas reconheces quem escreve pelo estilo da escrita, e estás mais atenta ao mesmo. O PaperFree'ismo veio para ficar mas as aproximações nostálgicas do ipaper e dos tablet pc's relembram dos tempos idos.

Vanita disse...

Não me tinha apercebido que também sinto saudades disso...

BlueAngel disse...

E experimenta voltar a estudar e perceberes que ao fim de cinco minutos a tirar apontamentos estás cheia de dores nos nós dos dedos. ahhhh pois é..... depois passa.Também tenho saudades dessas coisas, pois que sim!!! beijinhos

guga disse...

Como concordo contigo. Eu também adoro escrever no papel e guardar esses rascunhos comigo para sempre.

bjs Sandra

José disse...

Eu ainda guardo cadernos e dossiers da Secundária e dos primeiros anos de Universidade, onde tenho essas dedicatórias de amigos e amigas...

Vem sempre um sorriso à tona da cara quando os encontro e me ponho a lê-los. :)

Jo disse...

E o pior é que acho que, para além de já não conseguir escrever, a minha letra já não é bonita... ohhh

Andreia do Flautim disse...

Eu cá não tenho muita saudade disso. O meu pai ainda gosta de fazer rascunhos à mão de cartas, ou qq coisa, eu nunca fiz disso, desde que me lembro de ter computador. Se tenho alguma carta (mail...) ou trabalho para fazer, o meu rascunho é sempre feito no computador. Sinto-me muito mais à vontade.

Robin K disse...

Eu continuo sempre a recorrer ao papel e caneta. Sempre com o meu Moleskine debaixo do braço.

P. disse...

ainda há relativamente pouco tempo, escrevi uma carta. todinha ela escrita à mão. soube bem. e deu gosto ler e reler, antes dé a enviar.

escrever à mão torna tudo tão mais... bonito. e pessoal.

eu gosto.

Fabulosa disse...

gatafunhos, adoro(ava) gatafunhos! ;)

Lúcio Ferro disse...

E... No entanto, é recorrendo ao teu teclado que aqui vens desabafar essa nostalgia...

Cláudia disse...

Eu e o papel temos uma intensa e já longa relação amorosa!!
Mesmo com todas as novas possibilidades e tecnologias não abdico nunca de agendas e cadernos e simples folhas soltas onde possa registar sempre que me apetecer (e são muitas as vezes) tudo o que me vier à cabeça e que eu ache digno de registo.

Viva o manuscrito! ***

Borboleta disse...

Realmente dá que pensar! Ás vezes tenho saudades disso!

Tens um desafio no meu blog

Beijos

ap disse...

Rosa lembro-me de acabar o ano lectivo com o dossier todo escrito de cima à baixo com dedicatórias, desenhos das pessoas que me 'acompanhavam'. Continuo a escrever muitos postais e recados tudo à mão. E não tenho uma letra fácil (:

Beijos

Gaivota disse...

O post fez-me ficar nostálgica.
Como quando remexo na gaveta das cartas e dos postais.

Acho que a qualidade que perdemos com os manuscritos ganhámos com a quantidade escrita assim... pela máquina.

O bom seria mantermos a qualidade e quantidade nos dois ;)

Crystalline disse...

como compreendo! e daquelas dedicatorias anonimas? e dos bilhetes anonimos? :) velhos e belos tempos! =D

LopesCa disse...

Não tenho pena... a minha letra é horrível ;)

Mau Feitio disse...

É bom recordar...

Romeu disse...

Pois é, de repente puseste-nos nostálgicos, a pensar em algo que é inevitável. No fundo, é a factura das novas tecnologias.

Esta rapaziada nova cansa-se a tirar apontamentos das aulas, mas não se cansam de enviar dezenas de sms oa longo do dia.

Por isso é que os grafologistas estão em vias de extinção.

Boa semana.

Sofia disse...

Não se pode comparar o entusiasmo de receber uma carta manuscrita a um e-mail:/

bahhh... essa nostalgia pega-se:P

t_lencastre disse...

há muito que te leio e que gosto do que leio... hoje não resisti a comentar :)
com 30 aninhos... eu ainda escrevo cartas e postais de Natal e recadinhos :) e adoro...

sonia disse...

Sabes o que é que eu adorava??Era aqueles livrinhos que agente preenchia na escola para os amigos, onde se punha as fotos, os gostos, as dedicatorias...ainda tenho o meu na casa da minha mãe!

Liiindo :)

beijinhos

Pedro Barata disse...

Eu hoje para escrever à mão é quase só para assinar o meu nome e pouco mais...